Próximas senas serão incluídas até o fim de junho/2019, desculpe a demora ;-)

Terminei esse primeiro, a demora se deve ao fato, de estarmos vendo a possibilidade de divulgar esse primeiro trabalho, se Deus quiser, primeiro de muitos, pelo Amazon.

Assim que tiver disponível lá, vou postar aqui pra vocês.

Logo estarei divulgando, partes do segundo, Já estão no forno os 4 livros dessa série.

Leiam, compartilhem, me acompanhem, ou melhor acompanhem os personagens, eles são pessoas comuns que vivem os desejos mais puros, desejos que muito de nós temos, mas não podemos ou não queremos viver.

Lembrem-se o céu é o limite, então vamos viajar nas histórias, apoiem os autores Brasileiros, nosso material humano tem muito talento e merecem todo nosso carinho.

Até mais, forte abraço.

Luciane Camilo

Continua…

Fiquem atentos, o desenrolar desse drama romantico continuará em breve 😉

Viva o ROMANCE ADULTO.

DUDA

Nos arrumamos e quando estávamos voltando para o camarote, Helena também estava voltando, tivemos que soltar as mãos, ela sorriu e veio em nossa direção perguntando se estava tudo bem comigo

− Michel cuidou direitinho de você linda?

− Sim, obrigada. Não sei bem como me comportar depois de tudo, desculpe.

Ela ainda sorrindo falou.

− Da próxima eu quero cuidar de você melhor, mal posso esperar, chegou mais perto do meu ouvido suspirou e falou.

− Você é linda Duda, sua pela é uma delícia. Me puxou e me deu mais um beijo na boca.

Rafaela pigarreou e separou nós duas.

− Chega meninas, vamos beber algo antes de voltar para urgia, passou os braços nos meus e saiu me puxando.

Helena mordeu os lábios, piscou pra mim, em seguida pegou na mão de Michel e todos voltamos ao camarote.

A situação era irreal. Mais picante que os livros que eu costumava ler, era tudo natural para aquele grupo, relaxei, no dia seguinte eu poderia até pirar, mas naquela noite eu resolvi curtir tudo que me privei todos aqueles anos.

Perguntei para Rafaela, quanto tempo Michel e Helena estavam juntos?

− Ela respondeu, acho que vão fazer 3 anos.

− E já ficaram noivos em tão pouco tempo?

− Helena é bissexual, e Michel é amigo da família, para da um cala boca na família dela, eles fizeram esse teatro de noivado, mas são bem liberais, ninguém consegue entender muito bem, mas o grupo é bem unido. Notei o interesse dela por você, chega deu ciúme, risos.

− Para, Rafa! bati meu ombro com o dela.

− Sério Duda! Você nunca me deixou chegar tão perto, e eu também sou bissexual, sei lá, fiquei um pouco com ciúme. Rafaela, baixou a cabeça e encostando no meu ombro.

Acariciei seu cabelo, segui dizendo.

− Amiga, desculpa, nem eu sabia que poderia curtir os dois lados, nada pessoal, e você nunca me falou desse seu lado, fica triste comigo não, na verdade estou me descobrindo, você pode não acreditar, baixei mais o tom de voz, mas hoje foi minha primeira vez fazendo sexo com penetração vaginal, desde o amasso que dei no Michel a mais de 6 anos atrás, coloquei na minha cabeça que ele seria o primeiro, aí sei lá, vi a oportunidade e me joguei.

Rafaela arregalou os olhos, piscou sem querer acreditar.

− Mas amiga você tem 27 anos quase 28, e teve um ficante de 40 anos, eu nunca imaginei…

Sem palavras, sorrimos juntas.

− Tirou o atraso no estilo hem, mais risos.

Rafaela segurou meu rosto e me lascou um beijão de língua, retribui e novamente estava ali a eletricidade, quase a mesma que tive com Michel, gemi em sua boca e ataquei, mãos em todos os lados, e de repente todos bateram palmas e nos desgrudamos sem graça e sorrimos mais, na verdade gargalhamos sem pudor.

Michel estava vermelho, nitidamente com ciúme, olhei para todos os lados e recebi várias sorrisos e piscadas, me senti como uma carne pendurada no açougue, e os amigos da Rafaela eram os açougueiros, abri mais ainda meu sorriso e resolvi que já estava na hora de eu ir para casa, antes que eu fizesse algo que pudesse me arrepender mais tarde.

Me levantei, avisando que já estava de saída. Pelo ao menos umas cinco pessoas disseram que iriam me levar em casa, neguei com a cabeça, mas Michel falou algo no ouvido da Helena, pegou minha mão e falou decidido para todos do grupo, vou levá-la até a portaria e já volto.

Me despedi de todos e prometi voltar assim que desse. Michel saiu me levando, peguei minhas coisas no armário que fica na entrada do clube, paguei minha conta e Michel brigou comigo, pois tentou pagar pra mim eu não deixei.

Antes de chegar na portaria me prendeu em uma parede e me beijou como nunca, vi estrelas.

− Falei baixinho, queria ficar abraçadinha com você a noite toda Michel.

− Eu também Duda, eu também, me passa seu contato.

Passei e ele me passou o dele, posso te ligar amanhã, precisamos marcar para conversar com calma, preciso te explicar minha relação com Helena.

Xiiii, coloquei o dedo em sua boca, deixa que com o tempo tudo se resolve, eu estou me descobrindo agora, preciso viver o sexo em sua plenitude agora que me permiti.

Michel passou as mãos nos cabelos e me olhou com desespero.

− Aqui não é lugar para uma conversa séria, mas me promete que não vai perder sua essência, viver o sexo não é sair com todo mundo.

− Levantei a sobrancelha.

− Não quis dizer isso Michel, só estou falando que você não precisa mudar toda sua vida, só porque eu dei minha virgindade pra você, confesso que você mexe comigo desde aquele dia da praia também, mas precisamos nos conhecer antes de tomar decisões que podem mudar a vida das pessoas que amamos, pessoas que estão conosco, mais tempo que isso tudo que incendeia quando estamos perto um do outro.

Eu que atrasei minha vida sexual, comecei tarde, e também tenho uma pessoa que mora fora do Brasil, não temos nada sério, formalmente falando, mas estamos juntos a pouco mais de  2 anos, nem sei como vou contar a ele que perdi a virgindade com outra pessoa, quando ele teve tanta paciência de esperar durante esses anos.

Mas vou falar amanhã ainda, caso ele queira mudar de ideia com relação a vir até o Brasil me visitar, sei lá, sou franca, vou contar a verdade que sempre quis você e aconteceu.

Michel segurou meu rosto e me deu outro beijo, me abraçou desesperado, respirou no meu ouvido, dizendo.

− Você é minha Duda, você vai descobrir isso, eu sempre soube, e hoje tive a confirmação.

Se afastou me olhou nos olhos e me perdi no céu dos seus olhos azuis.

A caminho de casa, dentro do Taxi, sorria sozinha, quando entrei no meu apartamento, tirei as sandálias, rodei com os braços abertos, feliz, e falei alto − comecei a viver, obrigado Vida! chega com carinho pra não me assustar.

DUDA

Finalmente me vi conversando com Michel e Helena, a conversa fluiu e Helena pareceu aleia ao nosso desejo explicito, foi muito comunicativa e simpática, me deu até um pouco de remorso por desejar tanto o noivo dela, mas ela continuou uma conversa leve, me deixando cada vez mas a vontade em sua presença, de repente ela pediu licença e foi até o toalete.

− Enfim sós, eu disse. Como vão as coisas?

− Estão indo. Desculpe o noivado, precisei fazer algo para me distrair da saudade que senti de você.

− Fiquei vermelha. Seu bobo, me conta as novidades.

− Nada de novo, trabalho, praia, noivado, essas coisas.

− Entendi.

− Duda, tenho que explicar, eu tentei te procurar, mas – silêncio pairou entre nós.

− Não é sua culpa, eu sou muito focada, e na época não dava brecha para ninguém se aproximar. Só me arrependo de ter voltado tarde demais, para completar aquela nossa noite, porque, também nunca te esqueci.

− Não me fala isso que jogo tudo para o alto e te levo daqui.

Michel fixou os olhos nos meus, lambi os lábios e ele seguiu minha língua e prendeu a respiração.

− Não podemos Michel, infelizmente nosso momento passou, e…

Nesse momento Helena, voltou.

− Vamos circular amor, vamos Duda, vamos nos permitir.

− Segui explicando, eu nunca fiz nada disso Helena, hoje na verdade é a primeira vez que fico até tarde.

− Deixa de ser boba Duda, isso é liberdade sexual, o céu é o limite, vem, você e sua dança me excitaram.

Arregalei os olhos, ela piscou pegou nossas mãos e nos levou.

Quando percebi estávamos em um salão, bem decorado com sofás espalhados, onde pessoas dançavam e se agarravam, Helena pegou Michel colocou atrás dela e eu na sua frente e começamos uma dança à três, como sanduiche, e ela seria o recheio.

Helena olhava nos meus olhos, Michel atrás de Helena também me olhava, tudo isso foi me causando uma sensação nova e gostosa, sensação de adrenalina, no momento seguinte ela me acariciava, enquanto Michel atrás dela continuava me devorando com os olhos, ele sarrava na bunda da sua noiva, em uma dança sensual.

No momento seguinte eu estava sendo beijada e foi bom, Helena me beijou, em seguida ela beijou Michel.

Meu corpo produzia eletricidade pura, minha mente foi tomada pelo libido, meu desejo começou a  comandar todas as minhas ações, dava para senti nossa temperatura subir, o contato de nossos corpos quentes, mesmo com ar condicionado no máximo. O mundo parou, tudo se limitava ao nosso encontro, se limitava a nós três.

Logo após, Helena me colocou frente a frente, com Michel, permitindo finalmente que nos beijássemos, aí tudo ficou nublado, pois fiz aquilo que a anos estava com vontade de repetir, dei aquela pegada de respeito nele outra vez.

Helena foi para trás de mim, aumentando sua dança sensual, sussurrando palavras obscenas que só aumentavam meu libido, meu rubor, meu desejo, eu estava no limite, não tinha mais volta.

Helena seguiu massageando meus seios, soltou minha blusa, Michel baixou sua boca até um de meus mamilos enquanto Helena sugava outro, Michel massageou meu púbis, Helena minha bunda.

Era tudo surreal, eu finalmente estava vivendo minha própria história de luxúria, prazer e entrega total.

Fomos para um sofá grande e fiz o mesmo com Helena, baixei seu vestido, suguei seus mamilos, senti seu gosto doce, seu perfume de mulher bem cuidada, sua pele era macia, e mesmo com a temperatura boa no ambiente, seu corpo era quente, e suas atitudes mostravam que ela me desejava tanto quanto a seu noivo.

Seus mamilos imploravam por mais, ela segurou minha cabeça, me puxou para mais um beijo quente, nos esfregamos, depois ela me guiou novamente para um de seus mamilos, eu era puro instinto, esfreguei seu sexo, ela gemeu, me pedindo para pega-la, me confidenciou que também adorava mulheres.

Nunca havia vivido aquilo, mas meu instinto me guiava e acredito que estava fazendo tudo certo, porque ela falou no meu ouvido − vai me fazer gozar e depois Michel.

Eu não aguentei, baixei minha boca até seu sexo e comecei sugar, como gostava que fizesse no meu brotinho, Michel nos ajudava e apimentava toda aquela fantasia, Helena finalmente chegou ao clímax, mas uma mão chegou entre nós quando levantei o olhar era um dos amigos, Moreno alto, olhos castanhos, pediu consentimento e Michel permitiu, beijou minha boca e sutilmente tomou meu lugar e sugou o brotinho da Helena, Michel imediatamente me deitou ao lado de Helena, nós duas nos beijamos e quando percebi estava sem minha calça, ficando só de calcinha e sandália, Michel sarrava em mim, e dizia em meu ouvido, não aguento mais ficar longe de você, não me deixe nunca mais.

Baixou a boca até meu sexo e gemi extasiada, logo se formava em meu ventre aquela tão sonhada sensação, a saudade de estar com ele, se misturou com a adrenalina, fiquei boba de como ele conseguia me fazer gozar tão rápido, ainda nublada, olhei para o lado pude ver Rafaela com dois amigos, um na frente e outro atrás ela gemia gostosamente, do meu lado o moreno penetrava a Helena, e ela gemia alto, e dizia.

− Duda deixa Michel te comer linda, você vai gostar.

Pirei, Michel me olhou e me esfregava esperando minha permissão, puxei ele e falei no seu ouvido, gostaria muito, mas nunca fiz sexo com penetração antes.

Ele arregalou os olhos e parou de rebolar na minha pélvis, e falou

− Duda, o quê?

− Calma Michel, eu…

− E agora? Acho que não consigo ser tão forte e deixar de possuir você, em todos os sentidos.

− Sempre quis que você fosse o primeiro, sou virgem sim, mas estou pronta, precisava te avisar, caso haja sangue, para você não se assustar, mas não quero que você pare.

Michel terminou de tirou minha calcinha, senti a paixão em seus olhos, ele colocou um preservativo e veio me namorando, bem mais suave, todo mundo sumiu, era só ele e eu.

Senti que essa era a melhor hora, senti gratidão pela compreensão dele, a paciência, o carinho, a paixão que senti com seus toques, com essa experiência, parecia muito certo estar ali  iniciando minha vida sexual completa com ele.

Eu estava quase gozando quando ele foi penetrando e eu rebolando, quando enfim gozei, ele penetrou completamente rompendo meu hímen, pelo ao menos foi o que pensei, senti arder um pouco, faltou ar, mas Michel ficou parado esperando meu corpo se acostumar com a nova sensação.

Depois de alguns momentos, após vários beijos e palavras de conforto, carinhos por todo meu corpo, ele retomou a penetração, em um vai e vem constante e delicioso e logo se formava em meu ventre um novo orgasmo.

Nos beijamos com fome um do outro, eu disse eu seu ouvido − Obrigada, não poderia ser mais perfeito.  Ele gemeu e vi que não iria conseguir segurar mais, e para minha surpresa, ainda pensando no meu prazer ele com uma das mãos voltou a pressionar meu clítoris, me masturbando e juntos chegamos ao orgasmo.

Continuamos agarrados, olhei novamente para o lado e Helena estava de quatro, agora estava com dois dos amigos do Michel, um na boca e outro em sua menina sapeca, eles estavam focados no que eu e Michel fizemos, fomos um filme novo para eles, e todos pareciam apreciar.

Rafaela, chegou mais para perto e beijou na boca do rapaz que a Helena fazia sexo oral, enquanto outro rapaz, abaixado chupava Rafaela, ela piscou para mim e me senti bem vinda naquele grupo.

Era tudo surreal, mas lindo de ver, sexo puro, pessoas que se conheciam a vida toda e se entregavam com devido respeito, cada um parecia saber o limite do outro, a sintonia desse grupo era contagiante, ninguém desconhecido chegava próximo de nós, os homens do grupo nos protegiam.

Mais duas amigas do grupo também estavam por ali, era como se fosse um filme de sexo adulto, em câmera lenta, mas naquela noite, o filme principal tinha como protagonistas eu e Michel.

Michel falou com o amigo do lado.

− Vou limpar a Duda, é sua primeira vez aqui no swing e ela não conhece nada.

− Helena, nos encontramos no camarote. Daqui a pouco vamos pra lá.

Ela concordou com um sorriso satisfeito e voltou ao sexo que estava fazendo.

Michel nos levantou ainda dentro de mim, pediu para eu pegar nossas roupas, e assim o fiz, e saiu, acredito que fez isso para ninguém ver meu sangue, fiquei grata pelo cuidado.

Chegamos a um quarto, que tinha uma cama, um banheiro com chuveiro, banheira, coloquei nossas coisas em um móvel no canto.

Ele caminhou para o banheiro, me beijou, baixou minhas pernas, devagar, saiu de dentro de mim, retirou o preservativo e ajudou a me limpar, havia realmente sangue, tanto na camisinha quanto em minhas pernas, seus olhos brilhavam, havia uma energia entre nós que nenhum de nós sabia explicar, enfim ele quebrou o silêncio e disse.

− Agradeço o presente, sempre quis saber o que sentiria quando fizesse amor com você.

− Arregalei os olhos marejados.

− Michel seguiu falando. Sim, Duda, fiz amor com você, sonho com isso a mais de 6 anos.  Falei sério, não vou permitir que suma novamente da minha vida, não sei como vou resolver isso sem magoar Helena, mas não posso me casar com ela, gostando de você, desde aquele dia na praia, eu soube que perdi meu coração para a morena linda de olhos castanho esverdeado e sorriso fácil.

− Quando te vi aqui hoje, e quando te vi dançando, imaginei que você dançava pra mim, me permiti sonhar que nós erámos um casal.

− Hoje você e Helena me deram o melhor presente da minha vida.

− Diz que vai me esperar, seja minha Duda, nunca mais fuja de nós, da nossa história, eu te imploro.

− Michel nem sei o que falar, faço das suas minhas palavras, mas antes de continuar esse assunto sério, faz amor comigo novamente.

E novamente nos perdemos um no outro embaixo do chuveiro, fiz sexo oral nele com toda minha pegada, e o deixei louco, antes que o fizesse gozar ele me puxou, me levou para cama, fez umas preliminares maravilhosas, mas antes que eu chegasse ao clímax ele colocou outro preservativo e novamente me penetrou, senti arder mais um pouco, mas relaxei e tudo ficou melhor no decorrer do ato.

Ele foi mais bruto e eu gostei, me virou em várias posições, na cama, em pé, de lado, e terminamos gozando juntos novamente de frente um para o outro e nos beijando ardentemente.

Se pudéssemos ficar assim agarradinhos seria à perfeição. Com esses pensamentos dançando livremente em minha cabeça, eu continuei acariciando seu peito, seu rosto, seus lábios, estava gravando na memória cada momento com Michel.

CAPÍTULO 7 (Michel)

Quando eu a vi, quase tive uma parada cardíaca, estava ainda mais iluminada, com aquele sorriso fácil que tanto me encantou, fiz um esforço imenso para me controlar, porque minha vontade mesmo era correr até ela e dizer, “te procurei, o meu trabalho me atrapalhou um pouco, mas quando enfim consegui me organizar para investir pesado em você, soube que estava de viagem marcada e sem previsão de retorno, não quis atrapalhar seus sonhos”.

Doeu ver e não poder tocá-la. Não conseguia desviar meus olhos quando ela começou a dança do ventre.

E quando levantou os cabelos e pude ver aquela nuca cheia de cabelinhos no pescoço, o jeito que movia seus quadris, seus braços e mãos, só conseguia imaginar nossa noite no carro, eu sabia o que aquela boca podia fazer, e imaginava os lugares inimagináveis que seu corpo seria capaz de me levar, nunca mais consegui sentir aquela sensação que ela me proporcionou.

Helena soube de cara quem era Duda, porque antes de ser minha noiva, ela sempre foi minha melhor amiga, à anos mantínhamos nossa parceria profissional e na cama, ela sempre soube a quem meu coração realmente pertencia.

Mas como explicar minha reação para os demais, ficaria chato se todos descobrissem meu segredo e de Helena.

Poderia aguçar a curiosidade dos demais para o lado da Duda, tantas coisas para serem ditas e feitas, minha cabeça não parava.

Mas de uma coisa eu tenho certeza, não é por acaso que ela reapareceu na minha vida e dessa vez, ela não me escapa.

Essa fonte de energia em forma de mulher, vai ser minha.

DUDA

Certa noite Rafaela me levou para encontrar com alguns amigos dela, na tão falada casa de swing − que era seu lugar cativo − onde só entrava sócios ou convidados − o lugar era muito seletivo.

Como sempre, já me preparava para fugir, quando o vi, lindo, mesmo após 6 anos, agora ele devia estar com 33 anos de idade, mas com o mesmo sorriso que me lembrava, mantinha o mesmo corpo atlético, os olhos mais lindos ainda, estava acompanhado de uma loira linda e vinham em nossa direção.

Meu coração começou dar saltos mortais no meu peito, não sei bem o que senti, mas foi de tirar o fôlego.

Quando nossos olhos se encontraram dava pra sentir a eletricidade, ainda viva entre nós, não consegui me mexer, ele também parou por um momento, mas logo se recuperou e os dois vieram em nossa direção, todos cumprimentaram e Michel apresentou sua acompanhante Helena, e com um golpe de misericórdia cravando direto no meu peito, informou que era sua noiva.

Pelo o que eu entendi, todos ali compartilhavam suas companheiras, tive que ficar pela primeira vez e ver com meus próprios olhos, para matar a saudade dele, e para saber como meu corpo se comportaria diante de tanta adrenalina.

A noite foi passando e as atrações do lugar foram de uma classe que fiquei muito excitada, ainda mais porque naquele dia teve um show duplo, onde um casal além de dançar no pole dance, fizeram strip-tease, e ainda no palco, insinuaram que estavam fazendo sexo, de forma apaixonada, com uma sincronia linda de se ver.

Depois do show, entrou um DJ com boa música, quando percebi estávamos todos dançando, confesso que meu libido estava me dominando, eu estava com uma calça preta justa da Calvin Klein, uma sandália Louis Vuitton (ganhei do Willian), uma blusa vermelha decotada e costa nua, colar de ouro, relógio Invicta dourado, cabelos soltos, enfim, estava chamando atenção, quando começou tocar uma música para dança do ventre, eu me joguei e usei tudo que aprendi, sensualizando, feliz e sorrindo fui dançando sem perceber que todos faziam uma roda ao meu redor e me admiravam.

Quando terminei a dança, fui ovacionada, e fiquei vermelha.

Ainda recuperando a respiração, sem querer, busquei os olhos do Michel, e me arrependi no mesmo instante, pois vi fome crua em seu olhar, o que me transportou aquele nosso último e quente encontro em seu carro à anos atrás.

Rafaela sem notar meu constrangimento em desejar o noivo de outra, me abraçou e me parabenizou.

− Duda, você estava escondendo o jogo amiga, que linda essa dança, esses anos fora do Brasil te fizeram bem, você está mais solta, e mais linda ainda com esse novo corte.

Para vocês entenderem minha aparência hoje, pedi meu cabeleireiro para repicar meus cabelos e deixei no meio das costas, como sempre tive muito volume o corte sobressaiu, mesmo o meu cabelo sendo liso, mas mantive a cor natural, castanho claro, só hidratava mais do que antes.

O tempo foi passando e chegou a tão esperada hora, os casais foram convidados para a área que era liberado sexo entre os clientes, o promoter do local explicou quais eram as regras da casa, ou melhor do swing.

Os amigos da Rafaela, ela e eu fomos para uma área reservada para sócios, uma espécie de camarote, onde quem não iria participar poderia ficar ali protegido e os demais iam interagir no local destinado para tal prática.

CAPÍTULO 6 (Duda)

Após 4 anos fora do Brasil, hoje com 27 anos de idade, rumo aos meus 28 anos, retornei ao Brasil no cargo de vice-diretora do meu setor, consegui comprar um apartamento na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro, ajudei meus pais comprarem uma casa melhor no bairro de Campo Grande, pois os dois não queriam ficar longe dos amigos e familiares.

Já com a vida estabilizada, comecei a frequentar alguns lugares mais picantes, mas sempre como espectadora, mesmo fora do Brasil mantive contato com minha amiga Rafaela e outras colegas de Campo Grande.

Pra comemorar meu retorno, Rafaela me levou em algumas casas de swing e achei tudo lindo, encantador, sempre bebia um pouco, saia antes das coisas começarem esquentar, sempre volto de taxi ou uber pra casa, pois nunca dirijo quando saio para beber.

Hoje consigo manter meu próprio carro, casa, sair com os amigos e sinto que aos poucos estou realmente vivendo minha liberdade tão sonhada.

Nos anos que passei fora namorei um pouco, mas quem marcou foi Willian, ainda sinto seu cheiro, seu sorriso, se eu fechar bem os olhos, fico vermelha só de lembrar as coisas que vivemos juntos, o prazer que sentimos na companhia um do outro, mesmo assim não dei o tão famoso passo.  Confesso que fui muito sacaninha em alguns de nossos namoros, mas a virgindade ainda está guardada, esperando, não sei o que ou quem, mas ela continua me assombrando, eu já estou com 28 anos e já me sinto pronta e responsável.

Mantenho contato com o Willian empresário americano que me encantou, e ganhou um pedacinho do meu coração, loiro alto de olhos cinzas, dança bem.

Por causa dele, que sempre me elogiava quando eu dançava, resolvi aproveitar e fiz mais alguns cursos de dança, intensivão na verdade de: dança do ventre, e dança de salão (Salsa, Bolero, Rumba. Tango eu já fazia antes de conhecê-lo).

A dança me mantém em forma. Também pratico autodefesa,  não gosto de fazer exercícios, como musculação, então o máximo que me permito são essas atividades com dança e luta (auto defesa, somente).

Willian Smith, que saudade, ele ficou de vir ao Brasil me visitar, de tempos em tempos, mostrou que gostaria de manter nosso relacionamento, estou aguardando ansiosa, mas já fazem 4 meses que retornei e ele ainda não conseguiu um tempinho para vir me ver e esse lance de namoro a distância não é a minha, estou ficando ansiosa, e isso não é bom.

Tem noites que sonho com as mãos dele por todo meu corpo, ele me beijando em lugares que meu libido me culpa por ter vindo e deixado ele nos EUA.

Ainda nesses sonhos, vejo seus olhos de comando me fazendo estremecer, nossos corpos se chocando, estimulando, aguçando, nosso prazer, e tudo isso com preliminares maravilhosas, ele parecia me conhecer melhor do que eu mesma, satisfazia meus desejos mais sombrios, uns que nem eu mesma conhecia, minha depravação me conduzia a orgasmos avassaladores e quando meu corpo pede mais eu acordo, ofegante, encharcada de prazer.

Esse homem consegue me realizar até dormindo, preciso dele, preciso ser dele, mas minha mente não quer mais esperar, esse dilema está me deixando insana.